Anuncios

Sindicatos marcam greve para 18 de dezembro, dia da prova de avaliação de professores

16

A decisão foi tomada no conselho geral da Federação Nacional da Educação (FNE), que esteve reunido este sábado em Évora. A Fenprof também já tinha anunciado que irá avançar com um pré-aviso de greve para o dia 18 de dezembro, caso as provas se venham a realizar. Centenas de professores contratados protestaram este sábado contra a medida.

Numa nota à comunicação social, citada pela agência Lusa, a FNE justifica a greve com a insistência do Ministério da Educação e Ciência (MEC) em “impor uma prova de conhecimentos e capacidades a todos os candidatos dos próximos concursos de docentes, independentemente do tempo de serviço que já tenham realizado no sistema educativo”.

Também a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) já tinha anunciado que vai avançar com a paralisação caso as providências cautelares contra a implementação da prova de acesso à profissão de professor entregues nos Tribunais Administrativos e Fiscais de Lisboa, Porto, Beja, Funchal e Ponta Delgada e Coimbra não sejam decretadas.

A prova “não contribuiu para melhorar o sistema educativo”

Esta prova “não contribuiu para melhorar o sistema educativo” e constitui “uma efetiva demonstração de falta de confiança em milhares de professores que há anos têm garantido o funcionamento do sistema educativo”, avança a FNE.

A estrutura sindical refere que, ao se estabelecer taxas para inscrições nas provas, o MEC “volta a dar sinal inequívoco de desconsideração por muitas pessoas que vivem hoje situações de desemprego e economicamente muito difíceis”.

Ao marcar a prova para o dia 18 de dezembro, o MEC cria ainda, segundo a FNE, “novas dificuldades na disponibilidade das pessoas para realizarem a prova, não só para os docentes contratados que estarão em período de avaliações, mas também para alguns candidatos que entretanto estejam a trabalhar noutras áreas e em que dificilmente lhes será concedida dispensa para a prestação desta prova”.

Governo quer «comprar professores do quadro para classificarem provas dos seus colegas sem vínculo”

Em comunicado, a Fenprof acusa o Ministério da Educação e da Ciência de querer «comprar professores do quadro para classificarem provas dos seus colegas sem vínculo” e apela aos mesmos para que “recusem o papel que o MEC lhes pretende atribuir: o de serem pagos, com dinheiro extorquido aos seus colegas desempregados e precários, para que contribuam numa farsa destinada, por um lado, a denegrir a imagem dos profissionais docentes e, ao mesmo tempo, a afastar muitos deles da profissão”.

Centenas de professores contratados protestam este sábado contra prova de avaliação

Algumas centenas de professores, a maioria contratados, concentraram-se hoje junto da Assembleia da República, em Lisboa, para protestar contra a prova de acesso à carreira docente.

«Prova não, respeito sim» e «queremos prova de avaliação para o ministro da Educação» foram algumas das palavras de ordem entoadas pelos professores, alguns dos quais exibiram o certificado de habilitações e cartazes alusivos à prova de acesso.

«Não temos medo da prova» e «a prova é todos os dias na sala de aula» são algumas das frases que se podem ler nos cartazes.

Foram também promovidos protestos em Coimbra, na praça da República, e em Braga, na Avenida Central.

esquerda.net

Anuncios
About el comunista (68062 Articles)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

A %d blogueros les gusta esto: