ÚLTIMA HORA:

Utentes de Almada exigem mais e melhores transportes públicos

A população de Almada manifestou-se ontem junto à sede dos Transportes Sul do Tejo (TST). Exigiram um serviço público de qualidade e o direito à mobilidade, e reafirmaram a degradação do serviço prestado pelos TST.

Os participantes deste protesto defendem que a mobilidade das populações exige mais e melhores transportes públicos. Na moção aprovada por unanimidade, os manifestantes afirmaram que o direito à mobilidade «deve ser assegurado, fiscalizado e cumprido pelo Estado, única forma de garantir um verdadeiro serviço público de transportes como factor de coesão social e territorial».

A moção lembra que com o processo de desmantelamento e privatizações das empresas públicas de transportes, logo se sentiram as consequências para os utentes, fruto da alteração estatutária das empresas. O primeiro passo para a criação dos TST foi dado nos anos 80, com a segmentação da Rodoviária Nacional e ulterior privatização, por opções dos sucessivos governos. Com isto, os utentes consideram que «a lógica inerente é a da obtenção de lucros para os grupos económicos privados, nacionais e estrangeiros».

Para os manifestantes, assim se explica «a degradação crescente na oferta de transporte e na sua qualidade». Dão exemplos de problemas dos TST: frota velha, sem conforto, sem higiene, insegura. Veículos sem as adaptações necessárias para utentes portadores de deficiência motoras, idosos ou para carros de bebé. Chamam ainda a atenção para que «os preços praticados são exorbitantes».

Os utentes queixam-se igualmente da falta de transportes a partir de determinadas horas e fins-de-semana. Acresce que nas horas de ponta avolumam-se os constrangimentos e dificuldades dos utentes no acesso ao transporte da responsabilidade dos TST. Denunciam também a total ausência de coordenação com os outros operadores de transportes, o que provoca viagens mais demoradas.

Exigiram assim da administração dos TST um serviço de transportes público eficiente, com qualidade e segurança. Reivindicam das autoridades competentes, designadamente da Autoridade Metropolitana de Lisboa, a fiscalização e a tomada de medidas adequadas e urgentes com vista ao cumprimento dos horários e percursos publicados, bem como a reposição de carreiras retiradas e necessárias às necessidades das populações.

A Comissão de Utentes da Margem Sul tentou entregar o documento em mão à administração, porém foi informada na portaria que existiam ordens para que não entrasse ninguém, sendo sugerido que enviasse via e-mail.

Esta manifestação contou com a presença dos Presidentes das Uniões de Juntas de Freguesia do Laranjeiro/Feijó, Almada/Cacilhas/Cova da Piedade/Pragal, Charneca/Sobreda e outros eleitos, de representantes da Câmara Municipal de Almada, do Movimento Associativo Popular, de Comissões de Moradores, de dirigentes sindicais, da Comissão de Trabalhadores da Câmara e do SMAS e da Confederação Nacional dos Organismos de Deficientes.

http://www.abrilabril.pt

 

Categorías

Acerca de el comunista (50323 Articles)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: