ÚLTIMA HORA:

Com Lula, cobradora de ônibus realiza o sonho da casa própria

Durante o governo do ex-presidente, a economia brasileira melhorou e Luiza saiu do aluguel. Além disso, hoje ela estuda Pedagogia graças ao ProUni.

“Graças ao PT eu tenho casa, estou estudando Pedagogia e criei minha filha. Era muito difícil sair do aluguel, mas quando Lula foi eleito a economia melhorou muito. E isso tudo é consequência do trabalho dele, que olhou para todos os trabalhadores”.

É assim que Luiza Owhoka, 41 anos, define o grande impacto da gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua vida. Nascida no bairro da Liberdade, em São Paulo (SP), Luiza mudou-se ainda pequena para a Zona Leste, onde sempre estudou em escolas públicas.

“O ProUni não foi, ele é, e não só para mim, mas para muitas pessoas, um divisor de ss muito grande. Hoje, a pessoa que não tinha renda para fazer um curso superior tem acesso à educação e se forma. A dificuldade da classe operária é financeira, não é falta de vontade de vencer”, diz.

Luiza concluiu o ensino médio e, logo em seguida, engravidou. “Por conta disso, fiquei 18 anos afastada dos estudos, porque a minha prioridade era criar a minha filha, mas nunca desisti do sonho da faculdade”, lembra.

Cobradora de ônibus desde 2011, Luiza não imaginava que conseguiria o Programa Universidade para Todos (ProUni). “Passei com uma boa colocação e hoje sou bolsista integral na faculdade Sumaré. Estou no 6º semestre do curso de Pedagogia”.

O ProUni foi criado por meio da lei nº 11.096, no primeiro mandato de Lula, e concede bolsas de estudo integrais e parciais em instituições privadas de ensino superior.

“A minha mensalidade custa R$ 500 e a renda de um cobrador, sem nenhum desconto, gira em torno de R$ 1,5 mil. Sem o programa eu jamais ia poder estudar”, explica.

Com Lula, cobradora de ônibus realiza o sonho da casa própria1

Atualmente, Luiza é uma das diretoras do Sindicato dos Condutores de Veículos Rodoviários e Trabalhadores em Transportes Urbanos, Metropolitanos, Intermunicipais de Guarulhos e Região (Sincoverg) e trabalha em defesa das mulheres da categoria (motoristas e cobradoras) contra assédio, constrangimento, abuso, machismo, racismo e outros conflitos de gênero.

“Na verdade, ainda sou cobradora porque quando a gente é afastada pelo sindicato nós continuamos funcionária da empresa. Nós somos afastados para prestar um serviço, mas podemos retornar a qualquer momento’, explica.

A sua rotina é puxada, mas ela não se arrepende. Acorda às 6h, trabalha no sindicato das 8h às 17h e, depois, segue para a faculdade. “Minha aula começa às 20h30, mas chego antes para poder estudar. Chego em casa por volta da 1h da madrugada e ainda tenho as coisas da casa para fazer”, conta.

Já a escolha do curso tem tudo a ver com seu desejo de um país melhor. Para ela, a educação é a base de tudo e ela quer ser parte da mudança que quer ver no mundo.

“Nada é feito sem professor, é uma função essencial. Eu tenho que ser parte da mudança que eu quero ver no mundo. Para o futuro, penso em fazer uma pós em Ciências Políticas, aliando a Pedagogia com a militância e abrindo espaço p nós, mulheres, negras e pobres.

Os impactos do governo Lula na vida da cobradora não param por aí. Com a melhora na economia durante o governo petista, Luiza mudou-se para Guarulhos e comprou sua própria casa.

“Lula melhorou muito a economia, o poder aquisitivo do brasileiro aumentou. Com ele, o Brasil virou janela para o mundo, ele ganhou respeito mundial”, comemora.

Desgoverno
“Viramos um país de circo. Temer representa um desgoverno de uma pessoa desleal, machista, que discrimina e faz comentários sarcásticos com a classe operária e com as mulheres”, lamenta.

Luiza enfatiza que muitos colegas da faculdade foram prejudicados com a nova gestão e perderam o Fies e o ProUni. “De um ano para cá, foram mais ou menos seis amigos próximos. O problema nunca foi o Lula nem a Dilma”.

Ela ainda ressalta a importância do povo ir às ruas em defesa dos seus direitos e a necessidade de maior interesse na política.

“A reforma trabalhista é a extinção do trabalhador, porque vamos virar escravos e morrer trabalhando. A reforma da Previdência vem para consolidar isso. O povo tem que ir às ruas. A política nos impacta em tudo e o conhecimento é o que pode nos tornar em um país melhor”, diz.

A cobradora ainda lembra que no primeiro manifesto contra Temer, “ele colocou a polícia na rua para bater nosestudantes. Ele é um ditador, a democracia passou longe, o machismo e a xenofobia estão ali”.

Por fim, Luiza ressalta que “quem está na rua são os jovens, são os estudantes que Lula abriu a porta. Isso é a colheita, é o que o PT plantou e está dando fruto. Espero que Lula olhe por nós também em 2018”, torce.

Por Carla Escaleira da Agência PT de Notícias

Anuncios

Categorías

Acerca de el comunista (58919 Artículos)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: