Anuncios
ÚLTIMA HORA:

Governo espanhol recusa diálogo com autoridades catalãs

Numa semana de intensas mobilizações populares.

Madrid mantém-se inflexível perante a situação na Catalunha, com o presidente do governo, Mariano Rajoy, e o rei a recusarem qualquer via de diálogo. Terça-feira foi dia de paralisação total na região.

Cerca de 700 mil pessoas participaram nas mobilizações em Barcelona e outras cidades da Catalunha, na terça-feira, em protesto contra a violência com que as forças de segurança do Estado espanhol procuraram evitar a realização de um referendo à independência da região, sob forma republicana.

No domingo, as intervenções da Guarda Civil e da Polícia Nacional para desmantelar vários locais onde estava prevista a realização do escrutínio resultaram em cerca de 900 feridos de todas as idades.

O rei – uma das peças que os dirigentes catalães pretendem remover da região – fez a sua primeira intervenção após os acontecimentos do fim-de-semana na terça-feira, alinhando com a inflexibilidade assumida pelo governo espanhol. Filipe criticou as autoridades autonómicas e a sua «conduta irresponsável», num discurso que foi entendido, dentro e fora da Catalunha, não só como a defesa da unidade do Estado espanhol mas uma colagem à forma como o governo do PP abordou o processo.

Depois da muito criticada intervenção policial, o governo espanhol continua a recusar os apelos ao diálogo, para o qual o presidente da Generalitat (governo regional da Catalunha), Carles Puidgemont, já se disponibilizou. A escalada retórica atingiu hoje a ameaça velada de uma intervenção militar. O grupo do PP no Senado apresentou uma moção de apoio à acção das forças de segurança e apelando que as instituições utilizem «todos os instrumentos» para garantir «a soberania do povo espanhol» e a ministra da Defesa lembrou que a Constituição espanhola atribui às Forças Armadas a defesa da integridade territorial.

No PP, o antigo presidente do Governo José Maria Aznar já veio a público pedir uma intervenção ainda mais musculada na Catalunha. A alternativa, diz, é a demissão de Mariano Rajoy, que acusa de «inacção», e eleições antecipadas, de acordo como o eldiario.es.

Ontem, os líderes das bancadas no parlamento catalão agendaram para a próxima segunda-feira, dia 9, uma reunião plenária extraordinária para discutir os resultados do referendo de domingo passado e a declaração de independência da Catalunha, com a presença do presidente da Generalitat. Já hoje, o Tribunal Constitucional espanhol suspendeu a reunião, após o recurso do Partido Socialista da Catalunha (referente do PSOE na região).

abrilabril

Anuncios

Categorías

Acerca de el comunista (71138 Artículos)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: