Anuncios
ÚLTIMA HORA:

Trabalhadores da CGD exigem aumentos salariais

Hipótese de paralisação está a ser ponderada caso a intransigência da administração se mantenha.

A concentração, que juntou cerca de 200 trabalhadores e aposentados da Caixa Geral de Depósitos (CGD), nesta quarta-feira, serviu para exigir da administração o cumprimento do descongelamento dos salários e a contagem do tempo em falta para as progressões nas carreiras.

O protesto, convocado pelo Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD (STEC), reuniu mais de 200 pessoas frente à sede da CGD em Lisboa. João Lopes, dirigente do STEC, em declarações ao AbrilAbril, afirma que é «fruto do descontentamento acumulado entre os trabalhadores e aposentados da CGD».

O dirigente sindical comunicou que a administração da CGD continua a recusar o descongelamento dos salários em 2017, remetendo a questão para 2018 por «não estarem reunidas condições neste momento».

João Lopes explicou que «houve de facto uma reunião no dia 30 de Novembro com a administração», no entanto, da parte desta só veio «o reconhecimento das dificuldades relativas às condições de trabalho, prometendo resolvê-las conforme possível», mas sobre salários e progressão nas carreiras quase nada.

Devido ao plano de reestruturação por que passa o banco público, os trabalhadores têm estado sob uma forte pressão nos locais de trabalho, muitos a funcionar com números reduzidos de trabalhadores, enquanto o «número de casos de esgotamento e baixas de teor psíquico tem aumentado».

Salários e reformas congeladas desde 2010

Os trabalhadores e reformados da CGD encontram-se há quase oito anos sem actualização dos salários e pensões de reforma. Afirmam, no protesto, que não aceitam que esta questão seja remetida para 2018 pois o descongelamento já estava previsto no orçamento de estado para 2017.

Já a administração da CGD disse à agência Lusa, citada pelo DN, que se trata de uma altura «exigente e que implica um esforço de toda a instituição para ultrapassar o período de seis anos de prejuízos consecutivos». Porém, diz o STEC, «os sálarios da administração beneficiaram de um aumento de 100%».

Sobre a progressão das carreiras, sobretudo na contagem dos anos de 2013 a 2016 para esse efeito, João Lopes afirma que a administração «quer um apagão». A administração da CGD não quêr contabilizar os três anos, o que tem causado descontentamento entre trabalhadores que, segundo o sindicalista, «não aceitam a perda de três anos de trabalho».

Caso a posição da administração não mude, o dirigente sindical afirma que «serão consideradas outras formas de luta mais intensas, conforme a vontade dos trabalhadores, inclusive a hipótese de greve em último recurso».

abrilabril

Anuncios

Categorías

Acerca de el comunista (70805 Artículos)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: