Anuncios

Policial afirma ter levado dinheiro a escritório de amigo de Temer

O policial militar Abel de Queiroz disse, em depoimento à Polícia Federal, que fez entregas de dinheiro entre 2013 e 2015 ao escritório do advogado José Yunes, amigo próximo do presidente Michel Temer. O depoimento, ainda mantido em sigilo, foi prestado no dia 28 de março à Polícia Federal. A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

Os investigadores foram ao escritório de Yunes, no bairro Jardim Europa em São Paulo, junto com Queiroz. Durante o depoimento, ele reconheceu o local das entregas e, segundo a transcrição obtida pelo jornal, disse que “com absoluta certeza, lá esteve em pelo menos duas oportunidades“.

O policial falou como testemunha no inquérito que apura pagamentos, pela empreiteira, de R$ 10 milhões a campanhas do MDB, supostamente acertado com o Temer no Palácio do Jaburu, em 2014. Abel Queiroz trabalhou como motorista da Transnacional, empresa de transporte de valores contratada por empresas alvo da Lava Jato, incluindo a Odebrecht.

Queiroz disse que foi ele quem dirigiu o veículo blindado na Transnacional e que os outros agentes, que identificou como Oliveira e Alves, levaram os valores para dentro do imóvel.

No depoimento, o policial afirma que o valor máximo das remessas era de R$ 300 mil, limite da cobertura do seguro das operações. Porém, em 2014, o teto teria aumentado por ser ano eleitoral.

Queiroz não soube dizer exatamente quais as datas distintas em que esteve no escritório de Yunes e nem os valores entregues. Disse também que não tinha contato com os envolvidos nos pagamentos e que não se recordava se pessoas indicadas recebiam o dinheiro eram Yunes ou sua secretária, Shirley, “pois era o encarregado [de levar a quantia até o imóvel] que tinha mais contato com esses dados“.

A empresa de transporte, Transnacional, aparece em investigações distintas da Lava Jato como responsável por entregar as propinas. Outros 2 motoristas também afirmaram em depoimento que participaram de operações para repassar recursos da Odebrecht a um intermediário do presidente do PP, senador Ciro Nogueira, em São Paulo. Nogueira nega o envolvimento.

O depoimento corrobora acusação apresentada no dia 21 de março pelo MPF (Ministério Público Federal) contra Yunes e outros aliados de Temer. Yunes é acusado de atuar como arrecadador de recursos ilícitos para o presidente.

Após a denúncia ser aceita pela Justiça Federal de Brasília, foi aberta uma ação penal contra o advogado por organização criminosa. O coronel João Baptista Lima Filho, outro amigo do presidente, também foi acusado pelo mesmo crime.

Yunes admite o envolvimento em uma única operação, em que diz ter atuado como “mula involuntária” do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Segundo a sua versão, ele recebeu um pacote cuja origem, destino e conteúdo era desconhecida na época.

O operador finaneceiro Lúcio Bolonha Funaro, cujos depoimentos também embasam o processo, disse, em março, em carta anexada ao inquérito, que telefonou para Yunes para marcar de “retirar o valor no escritório dele”. Afirmou ainda que o advogado o levou para a garagem do imóvel e entregou uma caixa com os recursos para Geddel.

Fonte: Poder 360

Anuncios

Categorías

About el comunista (93311 Articles)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

A %d blogueros les gusta esto: