Anuncios
ÚLTIMA HORA:

IBGE desmente farsa da “volta do emprego”: 27,7 milhões sem trabalho

Na segunda-feira (14), durante cerimônia para celebrar o que chamou de “grandes feitos” de seu governo em dois anos, Michel Temer enalteceu a reforma trabalhista chamando de conquista dos trabalhadores e disse que o emprego estava de volta. Mas a realidade desmontou a farsa de Temer. Dados de uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que falta trabalho para 27,7 milhões de brasileiros.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) trimestral e mostram como está o Brasil real, após o golpe de 2016. Segundo o levantamento, a taxa de subutilização da força de trabalho ficou em 24,7% no 1º trimestre de 2018, a maior da série histórica da PNAD Contínua, iniciada em 2012. O contingente de subutilizados também é o maior já registrado pela pesquisa.

Os dados se referem aos trabalhadores desempregados, aqueles que estão subocupados (menos de 40 horas semanais trabalhadas) e os que fazem parte da força de trabalho potencial (não estão procurando emprego por motivos diversos).

A taxa de desemprego no país subiu para 13,1% no 1º trimestre, atingindo cerca de 13,7 milhões de brasileiros, sendo que os principais atingidos são negros e mulheres. Segundo a pesquisa, a taxa de desemprego dos que se declararam brancos ficou em 10,5% no 1º trimestre, abaixo da média nacional (13,1%), enquanto a dos pretos (16,0%) e a dos pardos (15,1%) ficou acima.

E mesmo as mulheres sendo a maioria na população em idade de trabalhar (52,4%), a taxa de desocupação no 1º trimestre foi de 11,6% para homens e de 15% para mulheres. Segundo o IBGE, o nível da ocupação dos homens no 1º trimestre ficou em 63,6% e o das mulheres, em 44,5%.

Falta de perpectiva

Os efeitos das precarização do emprego por conta da reforma trabalhista já aparecem no levantamento do IBGE. Segundo a pesquisa, na comparação com o 1º trimestre do ano passado, o número de trabalhadores subutilizados, ou seja, aqueles trabalham menos de 40 horas por semana, porque não encontram emprego com jornada mínima, aumentou em 1,1 milhão.

Já o número de desalentados (pessoas que desistiram de procurar emprego) passou de 4,3 milhões no último trimestre de 2017 para 4,6 milhões de pessoas no 1º trimestre, um aumento de 512 mil, o que revela a falta de perspectiva do trabalhador brasileiro. Vale destacar que esse ´o maior índice registrado desde 2012, quando iniciou a pesquisa.

“A população desalentada é definida como aquela que estava fora da força de trabalho por uma das seguintes razões: não conseguia trabalho adequado, ou não tinha experiência ou qualificação, ou era considerado muito jovem ou idosa, ou não havia trabalho na localidade em que residia – e que, se tivesse conseguido trabalho, estaria disponível para assumir a vaga”, explica o IBGE.

Do total de desalentados do país, 60,6% estavam no Nordeste (2,8 milhões e pessoas). Entre as unidades da federação, os maiores contingentes estavam na Bahia (805 mil) e Maranhão (430 mil).

Do Portal Vermelho

 

Anuncios

Categorías

Acerca de el comunista (80825 Artículos)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

w

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: