Anuncios

Trabalhadores da Efacec contestam despedimento em tribunal

PORTUGAL.- Os 21 trabalhadores da Efacec que foram alvo de um despedimento colectivo em Maio, entre os quais vários membros da Comissão de Trabalhadores, vão avançar judicialmente contra a empresa.

A garantia foi dada hoje à Lusa por uma fonte da Comissão de Trabalhadores (CT), que afirma que os visados pelo despedimento colectivo vão contestar a medida em tribunal, garantindo não lhes terem sido apresentadas alternativas de mobilidade interna, conforme argumentado pela Efacec.

«Os trabalhadores estão destroçados psicologicamente, mas vão seguir para tribunal e continuar a lutar pelos postos de trabalho», afirmou a fonte, segundo a qual a posição dos funcionários abrangidos «foi sempre a mesma: manter o seu posto de trabalho nunca recusando qualquer tipo de mobilidade interna».

Recordamos que no mês passado a Efacec anunciou o despedimento colectivo, a pretexto da «falta de trabalho» e que os trabalhadores recusaram «soluções de mobilidade e rescisões por mútuo acordo». A decisão surgiu semanas depois de o presidente da Efacec ter afirmado na Assembleia da República que tal não ia acontecer e que até contavam contratar mais de 700 trabalhadores. Entre os visados estão vários membros da CT.

A CT garantiu que a medida tem cariz de retaliação, face ao papel destes contra os despedimentos encapotados e as chamadas «listas», e que a posição da empresa foi de «intransigência durante todo o processo», sendo «as alternativas apresentadas a rescisão do contrato ou o despedimento coletivo».

«O medo impera na Efacec, os representantes dos trabalhadores estão a ser constantemente vigiados e é um ambiente indescritível», acrescentou.

De acordo com a fonte, o processo de despedimento coletivo foi dado «como concluído» pela administração da empresa no passado dia 4 de Junho, sendo que «nenhum dos trabalhadores envolvidos aceitou» a medida, já que «sempre acharam que a Efacec tinha possibilidade de os realocar noutras unidades de negócio».

«Para a comunicação social a administração diz que os trabalhadores recusaram as alternativas que lhes foram propostas, que não quiseram sequer ouvi-las e que está disposta a realocá-los, quer é que eles conversem com ela», sustenta a CT, garantindo, contudo, que tal não corresponde à verdade.

Segundo os representantes dos trabalhadores, «algumas das bandeiras desta administração» são a «transparência, ética, responsabilidade social», mas «tudo isto contraria o que se vive» na empresa: «Existe falta de informação, não fornecem as actas das reuniões, há pressões, acção persecutória e chantagem.»

abrilabril

Anuncios

Categorías

About el comunista (95265 Articles)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

A %d blogueros les gusta esto: