Anuncios

CNJ investiga indicação de Moro como ministro de Bolsonaro

Conselho atendeu pedidos de deputados e senadores do PT e quer que o juiz preste informações sobre sua atuação política enquanto juiz em Curitiba.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) abriu uma investigação, nesta sexta-feira (9), para apurar a indicação do juiz Sérgio Moro para o cargo de ministro da Justiça por Jair Bolsonaro (PSL).  O órgão atendeu aos pedidos de deputados e senadores do PT e o da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD).

Há uma semana, o magistrado aceitou o convite do presidente eleito e confirmou que foi cabo eleitoral enquanto usava a toga. As tentativas de influenciar eleições ocorrem desde 2014, quando Moro vazou ilegalmente conversas entra a presidenta legítima Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula. O procedimento no CNJ foi aberto pelo corregedor Humberto Martins, que é ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), segundo aFolha de S.Paulo.

A flagrante atuação política de Moro, denunciada pelos advogados de Lula, chamou a atenção da imprensa internacional que criticou a conduta do juiz e as “razões” para prender o ex-presidente. O CNJ quer que Moro preste informações por sua atividade político-partidária. O juiz/político tem 15 dias para prestar as informações.

Moro, político de toga

Segundo o CNJ, a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia aponta que Moro cometeu três ilegalidades ao iniciar as negociações para ser ministro, enquanto ocupa o cargo de juiz. Já os deputados e senadores do PT lembraram que o magistrado agiu com parcialidade mais de uma vez, especialmente na condução dos processos de Lula.

Com isso, Moro violou a lei orgânica da magistratura, o Código de Ética da Magistratura e a Constituição Federal ao dedicar-se à atividade político-partidária sem deixar o cargo de juiz.

O magistrado violou “a proibição constitucional aos magistrados de dedicarem-se à atividade político-partidária; o dever de manter conduta irrepreensível na vida pública e particular; a proibição da manifestar opinião sobre processo pendente de julgamento e a vedação de participação em qualquer atividade político-eleitoral”.

Anulação do processo contra Lula

Na terça-feira (6), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin encaminhou para a 2ª Turma da Corte a análise de um pedido de liberdade de Lula. A defesa do ex-presidente pede a anulação do processo do tríplex por conta da manifesta parcialidade e atuação política de Moro, que confirmou ter se reunido ainda durante o primeiro turno com Jair Bolsonaro(PSL).

Moro, que condenou e pediu a prisão de Lula, teve sua sentença confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o que impediu o ex-presidente de disputar a eleição presidencial deste ano, em que venceria com folga no primeiro turno.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações da Folha de S.Paulo

Anuncios

Categorías

About el comunista (93311 Articles)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

A %d blogueros les gusta esto: