Anuncios

TSE dá 3 dias para gigantes da internet apurarem disparos pró-Bolsonaro

Relator da prestação de contas, Barroso mandou que o WhatsApp, Facebook, Instagram, Twitter e Google respondam se houve impulsionamento nas Eleições.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deu três dias para que o WhatsApp, Facebook, Twitter, Instagram e Google respondam se houve contratação deimpulsionamento de conteúdo a favor do candidato Jair Bolsonaro (PSL), durante as Eleições 2018. A determinação do ministro Luís Roberto Barroso, relator da prestação de contas parcial do presidente eleito, atendeu a um pedido da área técnica da Corte, que analisa as contas apresentadas.

Em sua decisão, Barroso apontou que “as eleições 2018 são o primeiro pleito em que foi autorizada a contratação de impulsionamento de conteúdos na internet. […] O impulsionamento de conteúdos é considerado gasto eleitoral, sujeito a registro e aos limites fixados na lei”, de acordo com reportagem da Folha de S.Paulo.

Por isso, o ministro determinou que as empresas gigantes da internet forneçam os documentos e informações para comprovar a veracidade da prestação de contas de Bolsonaro. O relator quer o detalhamento individual de cada uma das operações do presidente eleito, com o objetivo de identificar a contratação de impulsionamento de conteúdos na rede mundial.

Barroso determinou ainda que o WhatsApp, Facebook, Instagram e Twitter descrevam o nome, número do CPF/CNPJ do eventual contratante, data da contratação, tipo e valor do serviço adquirido.

Esquema do LavaZap

No dia 18 de outubro, a Folha de S. Paulo denunciou um esquema milionário e ilegal de empresas apoiadoras de Jair Bolsonaro contra o PT e Fernando Haddad, durante as Eleições. De acordo com a denúncia, as empresas compraram pacotes de disparos em massa de mensagens no WhatsApp para influenciar os eleitores, no primeiro turno, sobretudo, com a divulgação de fake news.

A prática é ilegal, uma vez que se trata de doação de campanha por empresas – o que foi proibida na última reforma eleitoral, além de não ter sido declarada à Justiça. A reportagem apurou que o contrato para o disparo em massa de centenas de mensagens chegou a custar R$ 12 milhões.

Ação no TSE pode cassar chapa

Os advogados de Fernando Haddad pediram a abertura de uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral para apurar o abuso do poder econômico e uso indevido de meios de comunicação pela campanha de Bolsonaro. A ação foi aberta pelo corregedor-geral da Justiça Eleitoral, o ministro Jorge Mussi.

Jair Bolsonaro e o seu vice Hamilton Mourão (PRTB) podem ter a inelegibilidade declarada, caso a ação seja julgada procedente antes da posse. Se a procedência ocorrer depois da diplomação, o mandato da chapa é cassado, conforme determina o artigo 30-A, parágrafo 2º da A Lei Eleitoral – 9.504/97: ‘Comprovados captação ou gastos ilícitos de recursos, para fins eleitorais, será negado diploma ao candidato, ou cassado, se já houver sido outorgado.

Lacunas na prestação de contas de Bolsonaro

A campanha do presidente eleito entregou na terça-feira (6) a prestação de contas final de sua campanha. Segundo apurou a Folha de S. Paulo, Bolsonaro declarou à Justiça Eleitoral ter gasto R$ 2,436 milhões, menos do que o limite permitido a um postulante a deputado federal, que é de R$ 2,5 milhões. A declaração, no entanto, apresenta lacunas sem explicação.

Bolsonaro não declarou nada sobre os serviços prestados por um dos principais advogados da campanha, Tiago Ayres, pela mulher do ex-presidente do PSL Gustavo Bebianno, Renata, responsável pela agenda do candidato e da interlocução com a imprensa—, ou custo de aquisição de suprimento para comitês de campanha.

A resolução do TSE de número 23.553/2018 é clara ao regulamentar a prestação de contas para Eleições e ratifica a lei eleitoral que determina que todo trabalho prestado à campanha, remunerado ou não, deve ser informado e divulgado.

Nas contas de Bolsonaro, consta que o maior gasto foi com a empresa AM4 Brasil Inteligência Digital LTDA para serviços de “criação de site de campanha e mídias digitais” e “consultoria marketing/mídias digitais”, no valor R$ 650 mil. A AM4 é uma das empresas acusadas de participar do esquema do LavaZap.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações da Folha de S. Paulo

Anuncios

Categorías

About el comunista (93311 Articles)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

A %d blogueros les gusta esto: