Anuncios

Tentativa de golpe na Venezuela não passa na ONU

Os EUA levaram a ingerência ao Conselho de Segurança da ONU mas o objectivo de garantir «um apoio pleno» a Juan Guaidó falhou.

Um projecto de declaração dos EUA levado hoje ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) com vista a destituir o presidente eleito Nicolás Maduro e garantir «um apoio pleno» à Assembleia Nacional venezuelana, dirigida por Juan Guaidó, foi vetado hoje pela Rússia e pela China.

O texto, ao qual a agência France Presse teve acesso, sublinhava o compromisso da Assembleia Nacional venezuelana de restaurar a democracia e o Estado de direito no país, contestando a legitimidade das eleições presidenciais ocorridas em Maio.

As referências foram eliminadas do texto pela Rússia com o apoio da China. A diplomacia russa propôs um novo texto, no qual se pedia um diálogo político na Venezuela, tendo sido considerado inaceitável pelos Estados Unidos.

O embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vassily Nebenzia, acusou «os Estados Unidos e os seus aliados de quererem depor o Presidente» da Venezuela. A par de negar ao Conselho de Segurança o direito de discutir a situação no país, Nebenzia afirmou que Washington está a promover um golpe de estado na Venezuela e que, esse sim, é um assunto a analisar com urgência pelo Conselho de Segurança da ONU.

A delegação da Guiné Equatorial insistiu que a Venezuela não é uma ameaça à paz e segurança internacionais, tendo apelado ao diálogo e frisado a necessidade de respeitar a ordem constitucional na Venezuela.

Do mesmo modo, Jerry Matjila, embaixador da África do Sul nas Nações Unidas, rejeitou a interferência nos assuntos internos da Venezuela e as tentativas de ingerência naquele país.

Nicolás Maduro venceu as eleições presidenciais de Maio passado, com aproximadamente 68% dos votos. O sufrágio foi acompanhado por mais de 200 observadores internacionais e não foi contestada pela oposição.

Na sequência do ultimato de Portugal, Espanha, França, Alemanha e Inglaterra, que deram oito dias a Nicolás Maduro para convocar eleições, sob pena de reconhecerem Juan Guaidó como presidente da Venezuela, a chefe da diplomacia europeia Federica Mogherini anunciou que poderão ser tomadas «novas medidas» por parte da União Europeia caso tal não aconteça.

abrilabril

Anuncios
About el comunista (18780 Articles)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

A %d blogueros les gusta esto: