Anuncios

Autoridades venezuelanas confirmam 5 mortes e 233 detenções após intentonta golpista

O Procurador-Geral da República informou esta segunda-feira que o MP está a investigar as 5 mortes e as 233 detenções relacionadas com a tentativa de golpe promovido pela extrema-direita.

Em declarações a um canal de televisão, o Procurador-Geral da República, Tarek William Saab, disse que «todos os casos estão a ser investigados pelo Ministério Público (MP) e terão conclusões definitivas».

Saab acrescentou que, na sequência da tentativa de golpe de Estado, promovido pelo deputado da oposição Juan Guaidó e pelo agora foragido Leopoldo López, com o apoio de Washington, o MP emitiu 18 mandados de detenção para civis e militares.

«Naquele dia vimos deputados e alguns oficiais com a patente de tenente-coronel a actuar à margem da lei. Entre eles, destaca-se o que era chefe do Destacamento da Guarda Nacional Bolivariana no Palácio Legislativo, Ilich Sánchez Farías», afirmou.

Sánchez enganou as suas tropas ao dizer-lhes que iriam levar a cabo uma operação de rotina e levou-as para o Distribuidor Altamira, em Caracas, onde se encontravam, a liderar as manobras, Juan Guaidó e Leopoldo López, dirigentes do partido de extrema-direita Voluntad Popular, refere a Prensa Latina.

Na entrevista, Saab criticou os dirigentes do partido da oposição por promoverem um golpe de Estado, fazerem um apelo à sublevação e ao não reconhecimento do presidente Nicolás Maduro, para depois irem para suas casas ou procurarem refúgio junto de representações diplomáticas, sem reconhecerem o fracasso perante os seus apoiantes.

«Quando o seu apelo não teve a adesão esperada, no dia 30 de Abril, foram para casa procurar instigar uma acção subversiva no 1.º de Maio, que não teve eco», afirmou o procurador, sublinhando que o MP, agindo de acordo com «a Lei e a Constituição, na defesa da paz e da estabilidade da República», irá levar todos os responsáveis à Justiça.

Neste sentido, precisou que o Ministério Público emitiu «até este momento 18 mandados de detenção para civis e militares», incluindo alguns sargentos.

Novo Banco bloqueia 1543 milhões de euros da Venezuela

Numa nota emitida esta segunda-feira, o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) declara o seu apoio ao apelo entregue no passado dia 2, na Embaixada de Portugal em Caracas, subscrito por várias organizações não governamentais venezuelanas, «para que o Estado português, cumprindo a sua obrigação, intervenha junto do Novo Banco para que este liberte os mais de 1500 milhões de euros do Estado venezuelano» que retém ilegalmente e «efectue as ordens de pagamento que, na sua generalidade, se destinam ao pagamento de medicamentos, serviços de saúde, alimentos e outros bens de primeira necessidade de que o povo venezuelano tanto necessita».

O CPPC lembra que, «na sequência das ilegais sanções unilaterais e do bloqueio financeiro imposto pela administração norte-americana de Donald Trump contra a Venezuela», o Novo Banco é uma das entidades que bloquearam recursos financeiros pertencentes ao povo venezuelano e, neste sentido, defende que «o Governo português não deve «lavar as mãos como Pilatos» e fingir que não tem nada a ver com esta inaceitável situação que desrespeita o direito internacional, tanto mais quando entrega centenas de milhões de euros a este banco».

O bloqueio económico, financeiro e comercial que a administração norte-americana mantém contra a Venezuela, as suas consequências para o povo venezuelano e as iniciativas que o país caribenho está a levar a cabo para as contornar, potenciando relações de solidariedade e cooperação bilateral com diversos países aliados, foram alguns dos temas abordados por Jorge Arreaza, ministro venezuelano dos Negócios Estrangeiros, numa conferência de imprensa que deu, esta segunda-feira, na Embaixada do seu país em Moscovo.

abrilabril

Anuncios
About el comunista (57000 Articles)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com

Deja un comentario

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

A %d blogueros les gusta esto: