Caso EDP: Mexia e Manso Neto vão ser acusados de corrupção ativa

O despacho de acusação defende a proibição do exercício de funções dos dois administradores. Procuradores temem que os líderes da EDP e EDP Renováveis possam condicionar o depoimento dos trabalhadores.

A notícia desta segunda-feira do site Observador(link is external) diz que o Ministério Público irá acusar formalmente António Mexia (presidente da holding da EDP) e João Manso Neto (presidente da EDP Renováveis) de quatro crimes de corrupção ativa e um de participação económica em negócio. Já João Conceição, administrador executivo da REN, enfrenta a acusação de dois crimes de corrupção passiva.

No despacho de promoção das medidas de coação apresentado ao juiz Carlos Alexandre e aos três arguidos, os procuradores defendem que, no final de um eventual julgamento, os três gestores sejam proibidos de exercerem funções em empresas públicas e privadas por um «período não inferior a cinco anos”. Mas os procuradores vão além e pedem inclusive que estes sejam impedidos de entrar em quaisquer edifícios das empresas e de entrar em contacto com outros arguidos e testemunhas.

Alegando que existe o perigo de perturbação do inquérito, bem como perigo de continuarem a atividade criminosa, afirmam que «enquanto permanecerem na EDP», Mexia e Manso Neto «conseguem não só condicionar o depoimento de todos os colaboradores da EDP (desde técnicos e diretores a administradores, passando por ex-chefes de gabinete e secretários e ex-secretários da sociedade), como obstar à colaboração total da EDP com a presente investigação”.

Em causa está o caso das rendas excessivas da EDP que tem como arguidos António Mexia, João Manso Neto, o ex-ministro da Economia, Manuel Pinho, o antigo consultor de Pinho e administrador da REN, João Faria Conceição, e Pedro Furtado, responsável de regulação na empresa gestora das redes energéticas.

António Mexia é suspeito de quatro crimes de corrupção ativa e um de participação económica em negócio. As primeiras acusações estão relacionadas com os negócios praticados com Manuel Pinho, enquanto o crime de participação económica em negócio é relativo à adjudicação da construção da barragem do Baixo-Sabor ao consórcio do Grupo Lena/Odebrecht.

esquerda.net

About ELCOMUNISTA.NET (71490 Articles)
Síguenos en Twitter @elcomunistanet Síguenos en Facebook grupo: el comunista prensa roja mundo hispano Nuestro e mail: elcomunistaprensa@yahoo.com
A %d blogueros les gusta esto: